QUINTA RETRÔ: De Gabriele à Coco Chanel

  • 04/03/2021 às 16:27

Quinta Retrô: toda quinta-feira, uma curiosidade histórica diferente!

Além de política, a igualdade entre homens e mulheres é uma pauta social. O ativismo em prol dessa causa vai muito além das tribunas e palanques; ele precisa estar na televisão, livros, internet, música e, também, nas roupas e no comportamento. Em 1883, nascia uma das primeiras mulheres a traduzir o direito feminino na moda e levar isso para a grande mídia: Gabriele Bonheur Chanel, a estilista e empreendedora Coco Chanel 🧶.

Gabriele nasceu em 19 de agosto de 1883, na cidade de Saumur, na França. Filha de uma mãe lavadeira e um pai de vendedor de rua (que comercializava roupas 🙃), ela teve uma infância pobre e turbulenta, principalmente após a separação de seus pais. Aos 12 anos, sua mãe Eugénie morreu de tuberculose e Gabriele e suas irmãs Julia e Antoinete foram enviadas para um internato cristão pelo pai Albert.

Aos 18 anos, pela chegada da maioridade, foi morar sozinha no Institut Notre-Dame, uma pensão para jovens católicas na cidade francesa de Moulins. Foi ali que a futura dama da moda aprendeu a costurar - um conhecimento que mudaria sua vida para sempre 😉. Em 1903, Gabriele reencontra a irmã caçula de sua mãe, Adrienne, e a as duas vão trabalhar no ateliê de enxovais Maison Grampayre. Pela primeira vez, a costura começou a trazer retorno financeiro e possibilitou uma escalada social na vida de Chanel.

A madame começou a fazer parte da boemia de Moulins 💋. Envergonhada por seu passado pobre, Gabriele costumava inventar histórias, dizendo ser mais jovem do que era e que tinha um pai rico que a havia abandonado. Com os novos contatos, Chanel começou a trabalhar também como cantora, no café musical La Rotonde. No palco, transformou-se. Ganhou o apelido Coco por sempre cantar sua música favorita, “Qui qu’a vu Coco”, de Audrey Tautou.

Os romances também fizeram parte da vida adulta de Coco Chanel. Foi o namoro com o magnata Etienne Balsan que a fez conhecer a alta sociedade francesa. Em 1909, após o término com Balsan, conheceu aquele que seria o grande amor de sua vida: Arthur Capel ❤️ . Com o apoio dele, Chanel abriu sua primeira loja de chapéus, todos desenhados por ela, em Paris. O estilo próprio, com cores simples e design moderno, fez seu trabalho ser reconhecido pelo público e revistas de moda prestigiadas.

Em 1919, após uma década de relacionamento, Capel faleceu em um acidente de carro. Abalada, Coco fechou sua promissora loja de chapéus e ficou dois anos sem desenhar novas roupas. Em 1921, retomou as atividades com a inauguração de um ateliê próprio. Nele, desenvolveu as peças pelas quais foi mais reconhecida: a disruptiva calça feminina, que não existia na época; as roupas esportivas para mulheres; os casacos; os cardigans; as bolsas com bolsos funcionais; os sapatos baixos; e chapéus pequenos e arredondados. Todos os produtos nas cores preta e branca apenas, destacando a sua preferência por peças básicas e elegantes, bem longe da extravagância que marcou o guarda-roupa das mulheres no século anterior.

Com o dinheiro entrando e o prestígio subindo, o inovador trabalho de Coco Chanel atravessou o oceano Atlântico e chegou em Hollywood 🌟. A amizade com a estrela do cinema Greta Garbo foi o que proporcionou essa chegada. Durante as décadas de 30 e 40, todas as atrizes de Hollywood utilizavam roupas assinadas por Coco Chanel. Foi nessa época que ela enveredou por outro mercado: a perfumaria, com o antológico Chanel nº 5.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o romance da estilista com Hans Dincklage, um oficial da Inteligência Alemã atuando na França, fez com que ela fosse mal vista pelas autoridades francesas. Nessa época, fechou o ateliê e se mudou para a Suiça. A produção foi reaberta em 1954, no auge de sua influência na moda norte-americana e, em breve, mundial.

Coco Chanel trabalhou até o seu último dia de vida, em 10 de janeiro de 1971, aos 87 anos. Ela morreu planejando uma nova coleção, enquanto estava hospedada no Hotel Ritz, em Paris, ao lado de onde havia aberto sua primeira loja de chapéus 👒. Coco foi uma das mais influentes estilistas e mulheres do século XX, revolucionando o jeito de ser mulher e como a sociedade as enxergava. Nas palavras dela, “eu não faço a moda; eu sou a moda” 😗.

▶ E fica a dica do Uniftec para quem quer conhecer mais sobre a história dela: o filme Coco antes de Chanel 😉

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Coco Chanel é um exemplo de mulher, empreendedora e profissional. Seu estilo iconoclasta, que quebrava paradigmas, mudou o mundo da Moda e a sociedade como um todo. Nada disso seria possível se Coco não fosse extremamente comprometida com o desenho de suas peças, das cores aos tamanhos. Você também quer mudar paradigmas? Quer revolucionar o mundo ao seu redor?

O Grupo Uniftec oferece o curso de Design, na modalidade Presencial e semipresencial. Nele, o aluno aprende sobre design gráfico, de produto e, claro, moda. Clique no botão abaixo para inscrever-se no vestibular!

Compartilhe com alguém

Código de barras copiado