Intercambistas Uniftec: Universidad Santo Tomás, Chile – parte III

As inscrições para concorrer às bolsas do Programa de Intercâmbio Bolsa Santander encerram no dia 09/06/17 e estão abertas para todos os estudantes do Grupo Uniftec. O programa possibilita a escolha do destino entre nove países, para o período de um semestre letivo, com bolsas de estudos no valor de 3.000,00 euros.

As inscrições para concorrer às bolsas do Programa de Intercâmbio Bolsa Santander encerram no dia 09/06/17 e estão abertas para todos os estudantes do Grupo Uniftec. O programa possibilita a escolha do destino entre nove países, para o período de um semestre letivo, com bolsas de estudos no valor de 3.000,00 euros.

As informações completas sobre o Programa de Bolsas Santander estarão no edital, publicado na página de Relações Internacionais do Grupo Uniftec www.ftec.com.br/relacoesinternacionais. Mais informações podem ser obtidas via email internacional@ftec.com.br

Atualmente, cinco estudantes do Grupo Uniftec realizam intercâmbio, sendo três em Portugal e dois no Chile, através do programa. Confira a seguir o terceiro depoimento da série Intercambistas Uniftec.

 

GermanoGermano Rech Viezze, estudante do curso de Comércio Exterior, do Centro Universitário Uniftec, de Caxias do Sul, optou pelo intercâmbio de Ingeniería Comercial na Universidad Santo Tomás, em Santiago, no Chile. Confira abaixo o depoimento de Germano sobre a experiência que está vivenciando:

“A expectativa que criamos para uma viagem sempre envolve a descoberta do diferente, a tranquilidade de encontrar as semelhanças e a aventura fora da zona de conforto. Em um intercâmbio isso é intensificado pela interação com a cultura e os costumes locais e a integração à uma sociedade distinta.

Na preparação, buscamos estudar o idioma, história e cultura do país, e mesmo assim nos encontramos surpresos com o choque cultural nas primeiras semanas. De fato, cada pequena particularidade que estamos acostumados pode dar algo totalmente novo para nossa rotina. O intercâmbio exige adaptação muito mais que mudança. O estudante tem que se mostrar aberto a conhecer a cultura local e refletir sobre o contraste com sua cultura, buscando contribuições para ambos países.

O meu destino foi Santiago do Chile, e ainda não existiu um dia que eu não fui surpreendido por essa cultura. A cidade é rápida, governada pelos gigantes prédios, sedes de bancos e pelo intenso trânsito. Mas além do centro econômico e político do país, Santiago abriga todo tipo de manifestação cultural, como música, dança e artistas na rua. Existem peças de teatro, óperas e ballets, e um clube para cada gênero musical.

Independente da origem existe um pouco de tudo aqui. A abertura do mercado torna disponível muitos produtos que não encontramos no Brasil, dando um rico leque de opções todas as vezes que se vai ao supermercado ou centros comerciais. Encontrei inclusive produtos brasileiros que custavam menos que no Brasil. Essa acessibilidade torna Santiago um refúgio para inúmeras culturas, com comunidades de países de todos continentes.

Por todos esses motivos, uma universidade de Santiago é preenchida por diversidade.  O idioma como  barreira  torna-se  algo  em   comum   para   muitos   grupos, ampliando a interação cultural. O espanhol chileno é rápido, repleto de modismos e expressões populares, fazendo da compreensão um desafio até para outros nativos. Mesmo a assim, como tudo ao seu redor passa a ser espanhol, a adaptação fica mais fácil. A parte difícil fica em disciplinas que exigem escrita, pois mesmo tendo todo planejamento de um texto, fica muito difícil expressar com a mesma precisão em outro idioma. Felizmente, uma outra disciplina abrange muitos conceitos de finanças e matemática, que precisam de um mínimo esforço para adaptação devido à sua internacionalidade.

A minha experiência em Santiago está de acordo com a expectativa de encontrar todo tipo de produto e tecnologia. Algumas surpresas foram o clima seco, já que as chuvas são pontuais durante o ano, e a amplitude térmica. Os dias são maiores e quentes, e dão lugar a noites muito frias. A tecnologia da universidade é impressionante, como nos diversos laboratórios de informática, com computadores importados de baixo custo, ou a chamada para as aulas, que é feita através da impressão digital de cada aluno. Apesar de tudo isso, na última semana tive a maior surpresa de todas: quando ia atravessar a rua, vi que um motoqueiro e dois carros vinham lado a lado, e por tratar-se de um cruzamento sem semáforo, esperei na calçada. Todos os três pararam para que eu pudesse atravessar, pois apesar do intenso fluxo de veículos, todos respeitam os pedestres.

Uma quantidade grande de novidades como essa torna um intercâmbio o ambiente de aprendizado para a adaptação e resolução de problemas. É preciso criar novos vínculos e relações, ao mesmo tempo em que mantemos as antigas. Resolver problemas em um idioma diferente como exercício de responsabilidade e confiança. Principalmente, envolve a reflexão e valorização de sua própria cultura, e o desejo de levar na volta um aprendizado que contribua para o crescimento econômico e social da região”.

 

 

Ana Paula Boelter
Jornalista |Mtb 14263
Assessoria de Comunicação
Grupo UniFtec
54 3027 1300 R:599
Vestibular Agendado www.fazftec.com

Compartilhe com alguém