Grupo Uniftec e Randon lançam projeto social

Hoje, 5 de novembro, ocorreu a oficialização do projeto Programando o Futuro, parceria entre Grupo Uniftec, Grupo Randon e Secretaria do Trabalho e Assistência Social do Estado. O evento aconteceu na sede das Empresas Randon e marcou o início de mais uma iniciativa social do Instituto Elisabetha Randon.

O Programando o Futuro é um projeto social que oferece aulas de programação para jovens em situação de vulnerabilidade social. O objetivo é estimular a criatividade entre crianças e adolescentes dentro desse cenário, de Caxias do Sul, desenvolvendo atividades que proporcionem a fluência no uso das novas tecnologias. O intuito é oferecer o caminho da tecnologia como uma opção de futuro.

O projeto Programando o Futuro é parte do Programa Florescer, uma das iniciativas de cunho social do Instituto Elisabetha Randon, há mais de 15 anos estabelecido como uma referência nacional. O plano tem duração de 12 meses, dividido em quatro fases e é destinado para crianças de 11 a 14 anos – a primeira turma já conta com 40 jovens inscritos.

O Grupo Uniftec é responsável por toda a organização educacional do Programando o Futuro, oferecendo corpo docente e estrutura de ensino para dar vida ao projeto. A metodologia da iniciativa, também desenvolvida pela instituição, é composta por três vertentes: conhecimentos sobre programação, empreendedorismo e storytelling.


A assessora pedagógica do Centro Universitário Uniftec, Profa. Dra. Alexandra Cemin, foi a responsável por formular a pedagogia do projeto e destaca a sua importância social e regional. “O projeto é relevante para a educação, por poder transformar a realidade desses adolescentes e do seu entorno, além de contribuir com o avanço de Caxias do Sul e região. Iremos contribuir na formação de jovens em vulnerabilidade social e empoderá-los por meio do conhecimento”, frisa Cemin.

O presidente e reitor do Grupo Uniftec, Cláudio Meneguzzi Jr., também evidencia o impacto do projeto Programando o Futuro como uma das suas principais contribuições. “O projeto Programando o Futuro surge em um momento de transformação digital, preparando jovens para serem agentes ativos e fluentes em novas tecnologias, fonte de oportunidade e inserção social. Ações como esta, onde agentes do setor produtivo, público e acadêmica unem esforços em benefício da sociedade, são sempre bem-vindas, principalmente em um momento de disrupção tecnológica e desigualdade em que vivemos”, salienta o presidente e reitor da instituição.

As Empresas Randon oferecem toda a infraestrutura e organização que o projeto precisa para entrar em atividade. Cristina Fadanelli é a responsável pelo Programando o Futuro dentro da empresa, e aponta seu aspecto social como principal relevância. “O projeto tem como objetivo não somente utilizar a tecnologia para aprendizagem e inovação, mas se tornar um agente de construção do conhecimento. A utilização de ferramentas digitais vai aproximar estes jovens do mundo do trabalho”, aborda Cristina. O Governo do Rio Grande do Sul contribui com o projeto Programando o Futuro por meio de incentivo fiscal - a Lei da Solidariedade, programa estadual de apoio à inclusão e promoção social, é o principal deles.

As atividades já iniciam no mês de novembro, com o treinamento e capacitação dos professores envolvidos na ação. Em dezembro ocorre a identificação do problema, para alinhar os conteúdos com as demandas locais e, em seguida, a primeira etapa de qualificação de educadores sociais do Florescer. As aulas do projeto Programando o Futuro iniciam em fevereiro do próximo ano.

Na foto acima, o presidente e reitor do Grupo Uniftec, Cláudio Meneguzzi Jr.; Regina Becker, secretária de Trabalho e Assistência Social do Estado; e Maurien Randon, diretora-presidente do Instituto Elisabetha Randon.

Compartilhe com alguém

Código de barras copiado