Quinta Retrô: Carl Jung e a análise do inconsciente coletivo

  • 08/10/2021 às 15:52

Carl Gustav Jung nasceu em Kesswil, na Suíça, no dia 26 de julho de 1875. Filho de pastor protestante foi incentivado a seguir carreira eclesiástica, porém desistiu para estudar filosofia e medicina na Universidade da Basiléia. Onde se encantou pelos fenômenos psíquicos, concluindo o curso em 1900.

Interessado pelos problemas de transtorno de conduta, seguiu os ensinamentos do psicólogo e neurologista francês, Pierre Janet. No ano de 1902 conquistou seu doutorando na Universidade de Zurique, com a dissertação “Psicologia e Patologia dos Fenômenos Chamados Ocultos”.

Jung e Freud

Suas pesquisas num hospital psiquiátrico na Suíça chamaram a atenção do criador da psicanálise, Sigmund Freud. A instigação de Freud resultou em um encontro entre os dois em 1907, Jung viajou e surpreendeu seu mentor com seu talento. Os dois consentiam em conceitos e ideias, os aproximando.

A dupla não chegou a trabalhar efetivamente em parceria, porém se reuniram no primeiro Congresso Internacional da Psicanálise, grupo esse que fundou a Sociedade Psicanalítica Internacional. No entanto a publicação de seu livro “Símbolos da transformação” divergências surgiram, acarretando no afastamento de Jung do movimento psicanalítico. O relacionamento dos dois se encerrou quando Jung publicou Psicologia do Inconsciente, onde contrapôs as ideias de Freud.

Psicologia Analítica

Jung era instigado pelo símbolo dos conteúdos do inconsciente, buscando distinguir a psicologia individual da psicanálise, criou a “Psicologia Analítica”. Em sua análise, nada poderia ficar de fora do inconsciente coletiva. Toda a história da humanidade, religiões, culturas e mitologias afetavam a psique humana.

Introvertido x Extrovertido

Em “Tipos Psicológicos”, seu livro mais influente, Jung analisa os padrões comportamentais da individualidade de cada ser. Sua análise aponta que essas características são resultado da maneira como cada um utiliza suas capacidades mentais.

Ele divide em atitudes de extroversão e de introversão, a oposição dessas é referente a como cada indivíduo segmenta sua energia entre o mundo interno e externo. Pessoas com atitudes de introversão costumam sentir-se confortáveis com seus pensamentos e observam a forma como o mundo os afeta. Por outro lado, os extrovertidos ficam a vontade na presença de outras pessoas e analisam como elas afetam o seu entrono. Jung foi o principal estudioso dessas características e ajudou a popularizar o conceito.

Arquétipos

A popularização do termo ganhou destaque quando Jung argumentou que todos temos padrões de comportamento e personalidade. Segundo ele mesmo “Exatamente como o corpo humano representa um verdadeiro museu de órgãos, cada qual com sua longa evolução histórica, da mesma forma deveríamos esperar encontrar também, na mente, uma organização análoga”.

Jung listou 12 arquétipos, apontando que temos vários deles, porém um é dominante e outros dois são secundários. Atualmente o estudo dos arquétipos é utilizado inclusive no marketing e nos filmes para atingir e prender a atenção do público. Abaixo você pode conferir a lista dos arquétipos:

  1. Explorador;
  2. Rebelde;
  3. Mágico;
  4. Herói;
  5. Amante;
  6. Comediante ou bobo da corte;
  7. Pessoa comum;
  8. Cuidador;
  9. Governador;
  10. Criador;
  11. Inocente;
  12. Sábio.

 

Tipos Psicológicos

Em uma de suas pesquisas, Jung apresentou que as pessoas pensam, sentem e experimentam o mundo de formas distintas. Existem quatro funções cognitivas principais, sendo elas a sensação, o sentimento, o pensamento e a intuição. Cada um de nós possui uma dessas características mais dominante, chamada de função superior.

O Ego

Assim como para Freud, Carl Jung acreditava que o ego é o centro da consciência. Fornecendo direção para o nosso consciente e incentivando o planejamento e a análise das experiências do consciente. Eles acreditam que o ego atua como um divisor entre consciente e inconsciente.

Complexos

Esse são um conjunto de ideias inconscientes ligadas a experiências ou eventos emocionais. Em suas análises, Jung identificou que determinadas palavras causavam reações intensas ou produzem reações menores do que o esperado. Os complexos são reforçados por diversos motivos, desde eventos ambientais até maior ou menor atenção. Um complexo que estava inativo pode tomar espaço no consciente, movendo outros complexos para o inconsciente.

Aos 85 anos, em Zurique, Carl Jung faleceu. Porém seus estudos e livros estão presentes até s dias de hoje, agregando a profissionais de diversas áreas e ajudando milhares de pessoas a se compreenderem melhor.

Jung foi capaz de ajudar milhares de pessoas com o seu propósito. Você também pode seguir o mesmo caminho, o curso de Psicologia apresenta um crescimento grande nos últimos anos. As pessoas tem mais preocupação com sua saúde mental e o mercado de trabalho é bastante amplo.

Se você acredita nesse propósito e gosta do assunto, faça sua inscrição!

 

Compartilhe com alguém

Código de barras copiado